Arquivo da tag: familia

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no Lar

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no Lar

Este artigo é o texto usado em discurso de 10 minutos, em 14/08/2016, intitulado Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no Lar, e discute alguns pontos que podem ajudar nossas famílias a tornarem o lar mais centrado em Jesus Cristo, em espiritualidade e amor.

Preparação desde crianças

A preparação para chegar à Cristo é um ciclo sem fim, assim como o evangelho. Quando crianças, recebemos certas programações dos nossos pais, do ambiente, da sociedade, do planeta. Algumas dessas programações já vem pelo DNA, geneticamente, através de atributos físicos simples ou doenças crônicas. Temos feição parecida aos nossos pais, herdamos sinusite, rinite, asma, lordose, escoliose, nossa esperteza, raciocínio rápido. Em alguns casos mais raros e dramáticos, herdamos deficiências físicas que variam entre dificuldades locomotoras até paralisias completas. O ambiente no ensina, na escola, nos desenhos animados que assistimos na Carrossel, Chiquititas, Cartoon Network, Gloob, Discovery Kids sobre amar ou rejeitar aqueles que são diferentes. Sobre “trolar” os mais fracos, sobre incitar ou lutar contra o bullying.

A sociedade nos ensina o idioma, as gírias, os hábitos, esportes, ou mesmo tendências de conhecimento que, muitas vezes, seguimos sem qualquer questionamento. Nosso planeta usa veículos que queimam combustíveis fósseis e, na maioria das vezes, nem questionamos como funcionam ou mesmo nos importamos com os danos que causamos.

Quando chegamos à vida adulta, todas essas “programações” se solidificam e repetimos o mesmo processo ensinando nossos filhos e netos a perpetuarem essas programações.

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarIgnorando a programação que recebemos no passado, vamos questionar “O que temos ensinado nossos filhos e Como temos usado nosso tempo no lar”?

Estamos perpetuando hábitos negativos, perniciosos e destrutivos, ou estamos questionando o negativo, transformando em positivo? Estamos potencializando o que é bom, ou estamos deixando que caiam no esquecimento?

O que fazemos hoje, determina o futuro dos nossos filhos e muitas gerações futuras. O que ensinamos nossos filhos e o modo como agimos em nosso lar determina a sociedade, país e planeta em que vivemos.

Pai é o cabeça do lar e é sua responsabilidade

Neste dia especial, dia dos pais, em que comemoramos o honrado papel que os homens recebem ao constituírem famílias, é vital relembrarmos algumas das responsabilidades que temos e herdamos de nosso pai Celestial e nosso primeiro pai físico Adão.

Embora deva ser meta de todo homem honrado, de escolher uma mulher honrada, especial, com testemunho do amor de Deus e do Evangelho – uma mulher que seja preparada para gerenciar um lar e uma família – o homem jamais deve esquecer que é dele a maior responsabilidade: De ser o cabeça da família. Cabeça da família não significa a liberdade de escolher arbitrariamente conforme lhe seja conveniente. Ser cabeça da família significa entender o peso da responsabilidade em ter vidas que dependem dele. Saber que cada decisão pode influenciar para o bem ou para o mal, a esposa e os filhos, possivelmente por várias gerações. É saber que seus filhos vão se espelhar em suas ações, vão almejar ou repudiar serem como ele. Tudo dependendo de como se comportam no lar e, principalmente, quando pensam que ninguém mais está vendo.

Sim, esse papel é de tamanha importância que chamamos Deus de Pai!

Deus senta na sua poltrona celestial e fica somente assistindo seus filhos aqui na terra?Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no Lar

Nosso pai trabalha incessantemente, com auxílio de seus filhos para “Levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem.” (Moisés 1:39)

Ele jamais fica na zona de conforto, culpando qualquer outra pessoa por nada. Jesus Cristo, seu filho, é exemplo do Pai em todas as coisas e afirma:

“Em verdade vos digo que devereis ser como eu sou.” (3 Nefi 27:27)

E, em Mateus 5:48 afirmou:

“Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” Mateus 5:48

É responsabilidade do pai em guiar a família, em lembra das orações em família, de abençoar o alimento, de ler as escrituras em família, de fazerem noite familiar, de cuidar da casa e auxiliar a esposa a ensinar a luz aos filhos. O Pai jamais espera que a esposa faça, nem culpa ninguém por deixar de fazer. O Pai assume responsabilidade pelas coisas e ruins que acontecem à sua família.

Honrar o Sarcerdócio

O Presidente Howard W. Hunter teve uma única oportunidade de discursar em uma reunião geral do sacerdócio enquanto Presidente da Igreja. Naquela ocasião, em outubro de 1994, seu discurso intitulou-se “Sede Pais e Maridos Justos”. Nesse sermão magistral, ele enumerou vários padrões e expectativas para todos os portadores do Sacerdócio de Melquisedeque. […] “O portador do sacerdócio respeita a família”, disse o Presidente Hunter, “como Deus ordenou. Liderá-la é nossa responsabilidade mais sagrada e mais importante. A família é a unidade mais valiosa desta vida e da eternidade e, como tal, transcende todos os outros interesses”. (“Sede Pais e Maridos Justos”, A Liahona, janeiro de 1995, pp. 53­55)

O Presidente Harold B. Lee disse: “O mais importante trabalho do Senhor que poderemos realizar é o efetuado entre as paredes do próprio lar”. (Stand Ye in Holy Places, [1974], p. 255). Precisamos fazer uma auto-avaliação honesta e profunda. Será que estamos ensinando e guiando nossa família no evangelho ou estaríamos deixando essa responsabilidade para outras pessoas? A fim de conduzir a família, precisamos reordenar nossas prioridades de modo a encontrar o tempo necessário. Tempo em quantidade e de qualidade são essenciais.

O Presidente Hunter também nos lembrou: “O portador do sacerdócio lidera o envolvimento da família na Igreja para que aprendam o evangelho e estejam sob a proteção dos convênios e ordenanças”. (“Sede Pais e Maridos Justos”, A Liahona, janeiro de 1995, p. 55) Para conseguirmos, não podemos deixar de pôr certas coisas em ordem em nossa vida pessoal. A hipocrisia jamais rendeu frutos, tampouco o fará hoje. Espera-se que lideremos em retidão e incentivemos nossa família a seguir nosso exemplo. Dirijam a noite familiar e o estudo das escrituras. Dêem bênçãos do sacerdócio. Dirijam a oração familiar e pessoal. O Presidente Monson declarou: “Lembrem que um homem nunca fica tão alto como quando está de joelhos”. (in Conference Report, abril de 1964, p. 130)

Mencionado por H. David Burton na Conferência Geral de Abril 2000

Saber repreender e demonstrar amor

Ensinar nossos filhos é parte vital do propósito das famílias um privilégio dos pais. O pai, portador do sacerdócio deve lembrar-se sempre dos conselhos de Deus em Doutrina e Convênios 121:41-45

Nenhum poder ou influência pode ou deve ser mantido em virtude do sacerdócio, a não ser com persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não fingido;

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarCom bondade e conhecimento puro, que grandemente expandirão a alma, sem hipocrisia e sem dolo —

Reprovando prontamente com firmeza, quando movido pelo Espírito Santo e depois, mostrando então um amor maior por aquele que repreendeste, para que ele não te julgue seu inimigo;

Para que ele saiba que tua fidelidade é mais forte que os laços da morte.

Que tuas entranhas também sejam cheias de caridade para com todos os homens e para com a família da fé; e que a virtude adorne teus pensamentos incessantemente; então tua confiança se fortalecerá na presença de Deus; e a doutrina do sacerdócio destilar-se-á sobre tua alma como o orvalho do céu.

E a promessa do Senhor é clara aos que seguirem esses conselhos:

O Espírito Santo será teu companheiro constante, e teu cetro, um cetro imutável de retidão e verdade; e teu domínio será um domínio eterno e, sem ser compelido, fluirá para ti eternamente. (D&C 121:46)

Feminismo e obediência

Se estivermos fazendo nossa parte como homens, honrando o sacerdócio e nos preparando para esse chamado eterno de pais, podemos confiar que o Senhor nos irá abençoar com uma companheira que também seja honrada e preparada. Existem exceções e situações em que um isso não ocorra. Mas indiferente disso, a companheira no lar é mais do que uma pessoa do sexo oposto.

O primeiro convênio que aprendemos e fazemos convenio de seguir é Obediência, com Eva, e consequentemente todas as mulheres, fazendo convênio de ouvir o conselho de seu esposo, assim como ele ouve o conselho do Pai.

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarMoisés 7:35 afirma:

Eis que eu sou Deus; Homem de Santidade é o meu nome; Homem de Conselho é o meu nome; e Infinito e Eterno é o meu nome também.

Ouvir o conselho não significa simplesmente escutar, significa ponderar, aceitar, e obedecer ao conselho de daquele Pai que nos criou. Se o homem aprende a “ouvir” (significando obedecer) ao conselho do Pai, em nada esse homem terá transgredido, mesmo que as dificuldades e intempéries da vida assolem e sejam provações. Ao final, o prêmio de estar no reino Celestial, no maior grau de glória, pelo resto da eternidade, vale o esforço de ouvir o conselho!

Um homem honrado que ouve os conselhos do Pai sempre é um feminista, sempre deseja felicidade para sua companheira, sempre apoia a esposa a se desenvolver e a crescer junto com ele, para JUNTOS estarem com Deus, na gloria sem fim. A esposa nunca é uma serva, assim como Deus nunca nos enxerga meramente como servos. E se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se porventura com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. (Romanos 8:17)

No entanto, o homem, cabeça do lar, deve pôr de lado o homem natural e torne-se como uma criança, submisso, manso, humilde, paciente, cheio de amor, disposto a submeter-se a tudo quanto o Senhor achar que lhe deva infligir, assim como uma criança se submete a seu pai. (Mosias 3:19)

Da mesma forma, a esposa deve tornar-se submissa ao marido, não de forma pejorativa nem como o opositor tenta convencer, usando palavras bajuladoras de feminismo extremista. A esposa deve ser submissa a um homem que é submisso à Deus. Como em uma trilha de dominós, se o esposo é um homem justo que se submete ao seu Pai, ele jamais irá abusar do seu privilégio de ter uma esposa que também é submissa a ele.

O mundo tem pregado que as mulheres têm que ter direitos iguais aos homens. Satanás usou uma verdade sagrada para disfarçar uma mentira mortal: de que a mulher sozinha, ou o homem sozinho, tem felicidade. De que o direito da mulher de ser coadjutora com seu esposo virou seu falso direito de não querer mais ter o homem e lutar para ver “quem é o melhor”.

Eu gostaria de poder engravidar e ter filhos, se eu quisesse ser extremista exigindo justiça, poderia usar esse ou outros argumentos para odiar o mundo e me rebelar contra o que é de Deus. No entanto, o privilégio da maternidade é um dom de Deus que, se visto com os olhos espirituais, serve como amostra do grande amor que Ele tem por nós. O homo sapiens sapiens (nós) são a única espécie em que seus recém nascidos são completamente e totalmente dependentes dos seus genitores. Mais uma forma que Deus mostra que, nas coisas simples, estão os maiores simbolismos do evangelho.

E eis que todas as coisas têm sua semelhança e todas as coisas são criadas e feitas para prestar testemunho de mim, tanto as coisas materiais como as coisas que são espirituais; coisas que estão acima nos céus e coisas que estão na Terra e coisas que estão dentro da terra e coisas que estão embaixo da terra, tanto acima como abaixo: todas as coisas prestam testemunho de mim.(Moisés 6:63)

Não podemos deixar que nosso lar seja impregnado pela doutrina dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal; que fazem das trevas luz, e da luz, trevas; e fazem do amargo doce, e do doce, amargo! (Isaías 5:20 e 2 Néfi 15:20)

Eventos e atividades do lar

O Lar jamais é um lugar entediante. Seja por causa das atividades planejadas, mas principalmente por causa dos constantes imprevistos que SEMPRE aparecem. Seja um dente quebrado ou osso fraturado, ou mesmo pela festa de aniversário, a festa do pijama, o baile, a reunião de trabalho, o churrasco com os amigos, o lar está sempre em constante movimento.

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarÉ primordial que façamos oração em família e também em segredo. Que a leitura das escrituras seja um evento diário, seja de manhã, ou antes de dormir. Que noites familiares façam parte da agenda semanal. Que a noite com a esposa seja sagrada. Que a música faça parte dos divertimentos em família. A vida é feita de momentos. A maioria desses momentos são cotidianos e, em longo prazo são esquecidos. Mas as lembranças do amor, do carinho, da diversão nesses momentos cotidianos moldam o caráter de todos, principalmente das crianças.

Aqueles eventos raros e mais especiais, como festas de aniversário, brincadeiras no parque, ou viagens divertidas, se tornam somente pontos pequenos se o resto da vida não for feliz.

Não há tempo para se desejar calmaria. Calmaria é sinônimo de Zona de Conforto.

Despertar e sair da zona de conforto

Da psicologia definimos o que é Zona de Conforto:

Zona de conforto é uma série de ações, pensamentos e comportamentos que uma pessoa está acostumada a ter e que não a causam nenhum tipo de medo, ansiedade ou risco.

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarNa zona de conforto, as pessoas realizam sempre um determinado tipo de comportamento que lhe dá um desempenho constante, porém limitado e com uma sensação de segurança. Essa segurança é uma falsa segurança, uma vez que, quando ocorre uma grande mudança, quem está muito confortável leva um choque maior, e estará menos preparado para sobreviver do que os outros.

Os indivíduos em geral, necessitam saber operar fora de sua zona de conforto para realizar avanços, melhorar seu desempenho seja ele no trabalho, na vida pessoal etc. A zona de conforto é um tema sempre muito debatido na psicologia.

fonte: //www.significados.com.br/zona-de-conforto/

Enquanto na zona de conforto, o lar fica inerte, perdido.

Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engodo dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. (Efésios 4:14)

Constantemente o Senhor grita:

Desperta, desperta outra vez, veste-te da tua fortaleza, ó Sião; veste-te dos teus vestidos formosos, ó Jerusalém, cidade santa; (3 Néfi 20:36 e Isaías 52:1)

Aqueles que estão na Zona de Conforto estão adormecidos!

Temos que despertar e começar a questionar as programações que recebemos no passado e começar a trabalhar nas programações celestiais, e ensina-las a nossos filhos.

Conclusão

O lar é um local de aprendizado, de esforço, de trabalho, de amor dedicado. O mundo celestial é como o lar. Como podemos esperar irmos morar no Lar de Deus, se não damos valor para o lar que temos hoje?!

Cada momento, cada ação, pode ser uma demonstração de amor, pode ser um aprendizado e mais um passo que fortaleça a família e ajude todos a caminharem juntos de volta ao seu primeiro lar.

Henry B. Eyring, primeiro conselheiro da primeira presidência, e um apóstolo do senhor Jesus Cristo, afirmou:

Assim como Jesus, em Seu ministério mortal, usou uma criança como exemplo do puro amor que as pessoas precisavam e podiam ter para tornarem-se semelhantes a Ele, Cristo deu-nos a família como exemplo de um ambiente ideal no qual podemos aprender a amar como Ele ama.

Isso acontece por que é no relacionamento familiar que encontramos nossas maiores alegrias e nossas maiores tristezas. As alegrias advêm de colocarmos o bem dos outros acima do nosso próprio bem (isso é que é o amor), e as tristezas advêm principalmente do egoísmo, que é a ausência de amor. O ideal que Deus estabeleceu para nós é o de formar uma família da maneira mais acertada para conduzir-nos à felicidade e de afastar-nos das tristezas. O homem e a mulher devem fazer o convênio sagrado de colocar o bem-estar e a felicidade do outro no centro de sua vida. Os filhos deveriam nascer em uma família na qual os pais consideram as necessidades dos filhos tão importantes quanto as próprias necessidades; e os filhos devem amar os pais e amarem-se uns aos outros.

Princípios que nos levam a Cristo, aplicados no LarEsse é o ideal de família amorosa. Em muitos lares há estas palavras: “Nossa Família Pode Ser Eterna”. Perto da minha casa, há um túmulo de uma mulher que foi mãe e avó. Ela e o marido foram selados um ao outro e a sua posteridade no templo de Deus por esta vida e por toda a eternidade. A inscrição na lápide diz: “Peço que não fique faltando ninguém”. Ela pediu que essa inscrição fosse gravada porque sabia que as escolhas de cada membro da família determinariam se a família voltaria a estar toda reunida. A palavra “peço” está ali porque nem Deus nem ela poderiam compelir ninguém a escolher a felicidade. Além disso, há Satanás, que quer a miséria e não a felicidade da família nesta vida e na eternidade.

(Conferência Geral de Outubro 2009 – Nosso Exemplo Perfeito)

A desilusão do amor romântico versus verdadeiro amor de Cristo

Amor é uma escolha

A desilusão do amor romântico versus verdadeiro amor de Cristo

Estando divorciado há quase quatro anos, frequentemente me perguntam por que me tornei tão exigente quando ao quesito de namoro e relacionamento romântico e afetivo. E quando explico o motivo, automaticamente me questionam se tenho esperança de algum dia encontrar alguém e casar novamente.

A verdade é que ainda tenho esperança de encontrar, mas já aceite a possibilidade que nunca encontrarei.

E por que me tornei tão exigente? Por que minha desilusão no casamento me deixou sem esperança de algum dia encontrar alguém que me faça feliz?

Após ponderar sobre as possíveis respostas, acredito finalmente ter encontrado um meio de explicar de forma clara e simples, usando exemplos que todos conhecemos.

Quando penso no amor de Cristo, no verdadeiro amor, que é caridoso, não pensa mal, que deseja o bem e se sacrifica para promover o bem daqueles que amamos, imediatamente me sinto comovido e me lembro do amor que sinto pela minha filha, Mellanie.

Desde o momento que o pânico inicial de ser pai pela primeira vez desapareceu, aprendi a ter um amor cada vez maior por ela. Percebi que o verdadeiro amor é aquele experimentado entre pais e filhos (considerando um mundo ideal).

O amor que ela demonstra sempre, indiferente do momento ou local. Indiferente de outras pessoas estarem olhando.

Amor nas pequenas coisas, como quando ela fazia “samba” chutando a barriga da mãe sempre que ouvia minha voz (e a mãe reclamava porque ela só chutava comigo).

Quando a carreguei no colo a primeira vez, e todas as vezes que estivemos com ela na UTI infantil (nasceu 5 semanas prematura) enquanto ela estava em observação por 9 dias.

Todas as noites que eu acordava para amamenta-la pois ela nunca havia conseguido amamentar no peito por causa dos 9 dias na UTI e só mamava por tubo. Lembro de ter o cuidado de aquecer o leite de peito que tirávamos e congelávamos, e de segura-la no colo enquanto ela mamava na mamadeira.

Lembro de quando ela se engasgou ao cair de uma cadeira e não conseguia respirar e, estando sozinho em casa com ela, fiquei grato de, enquanto jovem, ter aprendido a manobra de Heimlich e conseguido ajudá-la a cuspir o pedaço de salsicha.

Lembro com carinho de quando ela me abraçou e me disse “Pensei que nunca mais ia ver você, papai”. Após o divórcio, a mãe sumiu com ela para se vingar de eu não agir do jeito que ela queria.

Nessa época, do divórcio, comecei a observar com ainda mais cuidado os pequenos momentos e amostras de amor que recebia de minha filha, e prestei atenção em como eu me sentia, e como eu agia com ela.

Cheguei ao ponto de orar a Deus, com todo meu coração, oferecendo minha vida – aceitando que se fosse o melhor, que Ele tirasse minha vida, para que minha filha fosse feliz. Ao meu ver, o que a mãe dela estava fazendo durante o divórcio estava me matando aos poucos, usando minha filha para me afetar.

A resposta de Deus foi impossível de interpretar errado “Não quero que morra por ela, quero que VIVA por ela”! Existe uma diferença incrível entre ser capaz de dar a vida por alguém, e viver a vida por alguém. Morrer é um fato único, isolado, exige um sacrifício extremo. No entanto, exige que seja feito somente uma vez. Viver por alguém exige esforço e disciplina diários. Exige um desejo de amago de amar, respeitar, sacrificar e estar fora da zona de conforto.

O verdadeiro amor exige que alguém viva sempre dedicando seus atos, pensamentos e intenções pelo bem da pessoa que se ama.

O amor verdadeiro não impõe condições. Ele deseja que aquele que amamos cresça, evolua, se desenvolva, e seja plenamente feliz. Ao mesmo tempo, esse amor entende o arbítrio, que não controla, manipula, induz ou mesmo maltratada.

O amor diário exige muito mais do que o sacrifício de morte.

Esse é o verdadeiro amor de Cristo, o amor que pais e filhos compartilham. Um amor sem segundas intenções, sem interesse egoísta ou instrumentalista. Um amor que nunca racionaliza ou justifica falhas. É um amor que está sempre se humilhando e pedindo perdão. Que repreende com ternura, mas que demostra amor maior, para que não sinta ser inimigo. Que se comove de compaixão, mas não se cega com necessidades secundárias. Um amor que escolhe ser eterno.

Em quantos relacionamentos de casal se encontra o verdadeiro amor de Cristo? O verdadeiro amor como o que existe entre pais e filhos? Claro, não se pode esperar que um casal se comporte como pai e filho, mas a fundação do amor é a mesma. A atração física e afetividade romântica complementam, mas não são a base do amor.

Já comecei alguns relacionamentos que acabaram no momento em que percebi ciúmes ou sentimentos negativos em relação à minha filha. Minha filha foi a melhor dádiva, a melhor coisa que já fiz na vida. Como que alguém pode esperar que eu trate minha filha com menos amor, para que eu possa ter um relacionamento com outrem?

Quando as pessoas adentram relacionamentos, na maioria das vezes buscam suprir algum desejo ou necessidade egoísta e irrelevante. Seja por futilidade, por superficialidade, por represália contra parceiros do passado, para fugir de situações de abuso – seja moral, física ou mental.

A maioria das pessoas entram em relacionamentos sem ter a mínima noção do que é o amor. Pensam que a paixão é suficiente para estar com alguém.

O amor de Cristo exige muito mais do que mera satisfação pessoal. Exige preparação, desejo, disciplina, esforço, disponibilidade em estar sempre fora da zona de conforto.

Quantos relacionamentos hoje em dia tem esse tipo de amor? Vejo frequentemente casais que estão sempre com semblante mal-humorado. Algo está profundamente errado em seu relacionamento. Algo está faltando em sua capacidade de amar.

Quando ambos doam 100% de si para aqueles que amam, e vice-versa, o resultado da soma sempre se aproxima de 100% (talvez 90% quando outros problemas afetam a família). Mas ninguém se sente rejeitado, usado, ignorado ou sozinho.

Ainda tenho esperança em encontrar alguém? Sim, a esperança permanece, como minha esperança que Cristo me ajudará a superar minhas fraquezas e as tornará em fortalezas (Eter 12:27). A esperança sempre vai fazer parte do verdadeiro amor de Cristo.

E por que me tornei tão exigente? Por que minha desilusão no casamento me deixou sem esperança de algum dia encontrar alguém que me faça feliz?

Esse mesmo amor que compartilho com minha filha, foi o amor que dediquei durante meus 6 anos de casado. Percebi que serei capaz de fazer alguém feliz, porque aprendi a amar. O problema é encontrar alguém que também saiba amar!

Encontrar alguém não depende simplesmente de achar uma pessoa. Mas encontrar uma pessoa que esteja disposta a crescer junto, chorar junto, sofrer junto, sacrificar junto, a ser membro da equipe que se chama família.

A desilusão do amor romântico versus verdadeiro amor de Cristo

Leitura relacionada:

Como escolher o parceiro ideal
Me dê o que eu quero, não o que preciso!
Como ter um relacionamento duradouro

 

Honrar o Sacerdócio Aarônico e Melquisedeque

Honrar o Sacerdócio Aarônico e Melquisedeque

Repetidamente ouvimos discursos e aulas sobre o tema de honrar o sacerdócio aarônico e de Melquisedeque. O sacerdócio não é novo, temos registros sobre ordenanças do sacerdócio desde os escritos Bíblicos:

“e os ungirás como ungiste a seu pai, para que me administrem o sacerdócio; e a sua unção lhes será por sacerdócio perpétuo nas suas gerações.”

Êxodo 40:15

Reconhecemos através dos registros bíblicos e até mesmo por manifestações contemporâneas que o poder de Deus foi dividido em dois principais ofícios: Aarônico e Melquisedeque.

Dentro do ofício Aarônico temos 4 outros ofícios:

Diácono = homens com pelo menos 12 anos de idade, que distribuem o sacramento todos os domingos aos membros e também zelam pelos edifícios da igreja.

Mestres = homens com pelo menos 14 anos de idade, acumulam as funções dos diáconos, preparam o sacramento e auxiliam no ensino familiar como mestres familiares.

Sacerdotes = homens com pelo menos 16 anos de idade, acumulam as funções dos ofícios anteriores, abençoa o sacramento e tem autoridade para batizar, ordenar outros diáconos, mestres e sacerdotes. Também pode assumir liderança quando não houver nenhum membro com sacerdócio de Melquisedeque.

Bispo = preside o sacerdócio Aaronico da ala. É presidente do quórum de sacerdotes, lida com assuntos de ordem material, como administração de finanças e registros e cuidados com os pobres e necessitados. Um bispo também é um sumo sacerdote para presidir sobre os membros da ala. É um juiz em Israel, entrevistas os membros para que recebam recomendações para o templo, ordenações no sacerdócio e sejam atendidos em suas necessidades. É o seu direito ter o dom do discernimento.

No ofício do sacerdócio de Melquisedeque há 5 funções:

Élder = ensinam, exortam (convidam a cumprir), expõe (mostra) a doutrina, batizam e zelam pela igreja. Possuem autoridade para conceder o dom do Espírito Santo. Administram aos doentes, abençoam crianças, e presidem quando não há outro líder sumo sacerdote.

Sumo Sacerdote = oficiam os assuntos espirituais além de acumularem todas as funções anteriores. Presidentes de estaca, presidentes de missão, sumo conselheiros, bispos e outros líderes são sumo sacerdotes.

Patriarca = ordenados para concederem bênçãos patriarcais aos membros.

Setentas = são testemunhas especiais de Cristo e ajudam na edificação e direção da igreja no mundo, sob direção da Primeira Presidência e Doze Apóstolos.

Apóstolos = testemunhas especiais do nome de Cristo, administram a igreja em âmbito mundial. Cada um tem chaves do reino de Deus na terra, mas o apóstolo chamado como profeta exerce todas as chaves. Os outros apóstolos agem sob sua direção.

Sabendo da organização do sacerdócio na terra, qual é a função dele em nossas vidas?

O Presidente Howard W. Hunter teve uma única oportunidade de discursar em uma reunião geral do sacerdócio enquanto Presidente da Igreja. Naquela ocasião, em outubro de 1994, seu discurso intitulou-se “Sede Pais e Maridos Justos”. Nesse sermão magistral, ele enumerou vários padrões e expectativas para todos os portadores do Sacerdócio de Melquisedeque. […] “O portador do sacerdócio respeita a família”, disse o Presidente Hunter, “como Deus ordenou. Liderá-la é nossa responsabilidade mais sagrada e mais importante. A família é a unidade mais valiosa desta vida e da eternidade e, como tal, transcende todos os outros interesses”. (“Sede Pais e Maridos Justos”, A Liahona, janeiro de 1995, pp. 53­55)

O Presidente Harold B. Lee disse: “O mais importante trabalho do Senhor que poderemos realizar é o efetuado entre as paredes do próprio lar”. (Stand Ye in Holy Places, [1974], p. 255). Precisamos fazer uma auto-avaliação honesta e profunda. Será que estamos ensinando e guiando nossa família no evangelho ou estaríamos deixando essa responsabilidade para outras pessoas? A fim de conduzir a família, precisamos reordenar nossas prioridades de modo a encontrar o tempo necessário. Tempo em quantidade e de qualidade são essenciais.

O Presidente Hunter também nos lembrou: “O portador do sacerdócio lidera o envolvimento da família na Igreja para que aprendam o evangelho e estejam sob a proteção dos convênios e ordenanças”. (“Sede Pais e Maridos Justos”, A Liahona, janeiro de 1995, p. 55) Para conseguirmos, não podemos deixar de pôr certas coisas em ordem em nossa vida pessoal. A hipocrisia jamais rendeu frutos, tampouco o fará hoje. Espera-se que lideremos em retidão e incentivemos nossa família a seguir nosso exemplo. Dirijam a noite familiar e o estudo das escrituras. Dêem bênçãos do sacerdócio. Dirijam a oração familiar e pessoal. O Presidente Monson declarou: “Lembrem que um homem nunca fica tão alto como quando está de joelhos”. (in Conference Report, abril de 1964, p. 130)

Mencionado por H. David Burton na Conferência Geral de Abril 2000

O sarcasmo, também conhecido como humor seco, é um dos hábitos mais destruidores dentro de qualquer relacionamento:

A raiz grega da palavra sarcasmo é sarkazein e significa “arrancar pele como cachorros”. Em dicionários é possível encontrar a definição de sarcasmos como ironia designada a “causar dor”. Sarcasmo tem muitos usos em nossa comunicação: pode expressar agressão e insulto e pode ser usada para dominar os outros, comunicar irritação ou raiva.
Honrar o sacerdócio é mais do que cumprir nossas tarefas semanais da igreja. No lar, significa sempre estarmos dispostos a vivermos fora de nossa “zona de conforto”.

O presidente Henry B. Eyring, primeiro conselheiro na presidência da igreja, na Conferência Geral de Abril 2012, nos deu quatro conselhos muito importantes:

Primeiro, adquiram e conservem um testemunho seguro de que as chaves do sacerdócio estão conosco e que o presidente da Igreja as possui. Orem por isso todos os dias. A resposta virá acompanhada de uma maior determinação de liderar sua família, de sentimentos de esperança e de maior felicidade em seu serviço. Vocês se tornarão mais alegres e otimistas: uma grande bênção para sua esposa e sua família.

A segunda coisa essencial é amar sua esposa. Será preciso fé e humildade para colocar os interesses dela acima dos seus próprios nos desafios da vida. Vocês têm a responsabilidade de prover e de, com ela, nutrir a família, ao mesmo tempo que prestam serviço ao próximo. Isso, às vezes, pode consumir toda a energia e as forças que vocês têm. A idade e a doença podem aumentar as necessidades de sua esposa. Se decidirem mesmo colocar a felicidade dela acima da sua própria, prometo que seu amor por ela vai aumentar.

Terceiro, conclamem a família inteira a amar uns aos outros. O Presidente Ezra Taft Benson ensinou:

“Num sentido eterno, a salvação é uma questão de família. (…)

Acima de tudo, os filhos precisam saber e sentir que são amados, queridos e valorizados. Precisam ter certeza disso sempre. Obviamente, esse é um papel que os pais devem desempenhar. E com mais frequência é a mãe que consegue fazer isso melhor”.

Mas outra fonte essencial desse sentimento de ser amado é o amor entre os filhos. O constante cuidado dos irmãos e das irmãs uns pelos outros só vem depois de esforço persistente dos pais, com a ajuda de Deus. Vocês sabem que isso é verdade pelo que vivenciaram em sua própria família. E isso se confirma toda vez que leem sobre os conflitos familiares enfrentados pelo justo Leí e sua esposa Saria, no Livro de Mórmon.

Na igreja, uma das maneiras mais importantes que podemos honrar o sacerdócio é apoiando nossos líderes. Jamais procuramos nos enaltecer, criticar nossos líderes, criamos disputas, fofocas, ou mesmo rebeliões secretas.

No Manual dos Ensinamentos dos Presidentes da Igreja, especificamente no de Joseph Fielding Smith, lemos sobre um caso envolvendo Joseph Fielding Smith, na época apóstolo e o então presidente da igreja Heber J. Grant:

A certa altura, quando Joseph Fielding Smith era apóstolo, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos estavam engajados na discussão de uma questão difícil. O Élder Smith expressara seu ponto de vista quanto ao assunto com muita veemência. Um dia, o Presidente Heber J. Grant, que era o Presidente da Igreja na época, foi ao escritório do Élder Smith. O Presidente Grant disse que, depois de considerar a questão em espírito de oração, foi inspirado a recomendar medidas em desacordo com o ponto de vista do Élder Smith. Imediatamente o Élder Smith apoiou a decisão do Presidente Grant. Mais tarde, ele declarou: “Na minha opinião, quando o Presidente da Igreja diz que o Senhor Se manifestou a ele ou inspirou-o a fazer algo, eu apoiarei plenamente o que ele fizer”

Se estivermos com dificuldade com o chamado de algum líder atual, temos a opção de pedir auxílio do Senhor. Se orarmos com sinceridade, receberemos uma das possíveis respostas:
  • Meu filho, esse homem chamado por homens, está aí para te auxiliar no seu crescimento de paz, honra e fé. Apoie-o.
  • Meu filho, esse homem foi chamado por mim, seja humilde e aceite seus conselhos. E mesmo que ele pareça incapaz do chamado que possui, EU o mostrarei o caminho.

Nunca irá haver motivo na Igreja de Cristo para contendas, afinal somos Santos dos Últimos Dias.

 

Referencias

Amor livre, a nova falacia

Amor livre, a nova falacia

Ultimamente está a maior briga e apoio ao homosexualismo. O mundo insiste em liberdade de amor…

Faço um raciocínio sobre esse Amor livre, a nova falacia, com as seguintes perguntas:

– Todos as espécies sexuadas do planeta se valem do sexo para reproduzir. O homo sapiens sapiens deu um passo a mais, relacionando afetividade ao ato sexual (ao meu ver um sinal evolutivo).

No entanto, sempre aprendemos que devemos amar nosso próximo, amar toda humanidade. Mas tanto os que são contra, quanto os que são a favor se atacam e se agridem… clara contradição “evolutiva”. Ou querem fazer sexo com todo o mundo?

Ao meu ver, precisamos de um pequeno ajuste no vocabulário:
===> SEXO LIVRE <===

Aparentemente não é amor livre, mas sim querem que o ato sexual livre seja aceito (mesmo que forçosamente) pelo resto da sociedade.

Querem estar envolvidos sexualmente com um indivíduo do mesmo sexo, fiquem à vontade. Mas não venham querer pregar amor livre, porque obviamente não há nenhum amor em VIOLAR A OPINIÃO DOS OUTROS, FAZENDO-OS PARECER VILÕES.

Amor universal é respeitar valores sociais, respeitar os outros, se importar em como se sentem, etc…

(e aceito que até heterosexuais tem violado as mesmas regras, fazendo coisas particulares em público, causando todo tipo de desrespeito.)

Nossa sociedade perdeu seus valores mais básicos… mas é hipocrisia alegar transcendência em algo que é claramente sexual.

Será que precisamos de sexo livre, ou amor livre? Perdemos tempo forçando goela abaixo coisas completamente inúteis, quando temos tantos problemas reais em nosso planeta que PRECISAMOS RESOLVER. Temos inúmeros problemas em nosso próprio pais!!!

EU CONTINUO APOIANDO A UNIDADE FAMILIAR (homem, mulher e filhos) e os que querem outra coisa fiquem à vontade no seu canto, que eu fico no meu – CONCORDEMOS EM DISCORDAR!!!

Amor livre, a nova falacia

Não venham querer me forçar a aceitar e achar normal, que eu deixo vocês no seu canto, sem forçar nada tampouco. Não sou contra nenhum homosexual, mas não sou a favor de assistir afetividade sexual homosexual (tampouco sou a favor de assistir afetividade sexual heterosexual) em publico. Faça isso na sua casa, não na rua!