Arquivo da categoria: Opinião

Como escolher o parceiro ideal

Revisado em 28/06/2014 e 17/09/2018

Muitas pessoas ótimas passam por relacionamentos ruins. E quando um péssimo relacionamento acaba, é normal sentir-se frustrado (a) e traído (a) pelo mundo.

A decepção é um sentimento poderoso e, embora saibam que o mundo não é assim, faz crer que ninguém mais merece confiança. Nesse momento, nada nem ninguém é capaz de demonstrar o amor que se espera.

Por isso, comentarei algumas coisas que eu aprendi nos últimos anos, tanto com meus próprios erros, quanto ajudando outras pessoas, em terapias e sessões e aconselhamento conjugal, sobre a busca do Príncipe ou Princesa “ideal”.

Depois de uma certa idade, a maioria das pessoas amadurecem em algumas coisas, mas todos temos nossas infantilidades – basicamente, nossos “botões” – que ligam nosso piloto automático. E quando nosso piloto automático toma o comando, fazemos e falamos coisas que nos arrependemos amargamente depois.

E, para piorar, quanto mais envolvidos estamos ” emocionalmente ” maior a chance de deixarmos nossos botões desprotegidos. Quando nossos botões são apertados, causamos todo tipo de tormentas no relacionamento. No entanto, todo mundo sonha em ter um relacionamento que seja um porto seguro, uma simbiose fluida e feliz e não um ringue de luta livre.

Claro, nem estou discutindo o trabalho exigido em manter um relacionamento saudável. Comento somente sobre inícios de relacionamentos.

Alguns pontos que percebi que ajudam, mas que podem parecer “frias” aos olhos dos “românticos” de hoje. A maioria dentre aqueles que sofrem da Síndrome de Hollywood (assistiram filmes demais). Esses pontos são:

  • Evitar se envolver demais com alguém, logo de início

Sem hipocrisia, pois não é fácil, mas quanto menos envolvimento emocional for permitido no início do relacionamento, mais fácil será manter a objetividade na hora de analisar a possibilidade de sucesso. Passe bastante tempo juntos, em atividades do dia-a-dia, em ambientes descontraídos, onde é possível observar o pretendente em sua “zona de conforto”, e analisar como agem nesses ambientes, nessas condições.

É fácil fingir ser alguém por algumas horas, ser um ator de qualidade em mídias sociais, telefone ou mesmo em encontros breves. Mas é muito mais difícil fingir quando se está na zona de conforto. As mascaras caem quando o ator está em um lugar em que se sente seguro.

  • Analise todos os aspectos da pessoa

Analise o signo, a letra, como é com a mãe, como lida com dinheiro, como trata o garçom ou garçonete, como se porta com crianças, ou mesmo com seus filhos (caso tenha). O modo como a pessoa trata os pais é o primeiro indício de como age em ambiente familiar. Se for grosso (a) com eles, as chances são grandes que também será em seu próprio lar.

A grafologia, embora exija conhecimento específico, é uma ótima ferramenta de análise de personalidade. Outras ferramentas que exigem boa observação são o MBTI e o Hartman Colors. Outras exigem pouco, como o signo (relacionado à data de nascimento), a opinião dos amigos, parentes, colegas de trabalhos, postagens em mídias sociais, etc.

Não há necessidade de saber todas as facetas das pessoas antes de confiar nelas. Mas o mínimo de conhecimento ajuda na hora de decidir se valem a amizade ou mesmo o coração.

  • Faça uma lista de prós e contras

Amor exige esforçoAlém de apontar os positivos e negativos dos (as) pretendentes, dê notas tanto para os prós quanto para os contras. Por exemplo:

Digamos que a pessoa em quem se tem interesse seja muito bonita, e que há muita atração por ele/ela. Mas, um dos pontos negativos (contra) é a pessoas ser extremamente grosseira. Ao dar uma nota entre 1 e 5 (sendo 1 menos importante e 5 a mais importante) – nesse caso pontuar 3 para a beleza e 5 para a grosseria – é possível calcular se os pontos positivos superam os negativos ou vice-versa. É necessário pesar tudo na balança, antes da decisão final.

Em outras palavras, o que conta mais? A Beleza ou a grosseria? Se conviver com grosseria é algo inaceitável, então sua importância é muito maior que a beleza da pessoa (que também se perde com o tempo).

Considere como um relatório de pesquisa. Essas notas servem muito quando um pretendente parece ter mais prós que contras. No entanto, os contras podem ser tão absurdos que tem peso muito maior que todos os prós juntos!

  • Não se envolva sexualmente

O ato sexual é uma “cola” emocional poderosíssima que dificulta na hora de analisar clinicamente um pretendente. Mesmo que o pretendente não seja boa pessoa, fica difícil desligar-se dela porque o emocional está “grudado” nela. Note que nem estou falando de nada religioso, mas de programação fisiológica do ser humano.

A raça humana, apesar de ter mudado o ponto de vista com relação ao sexo em geral, não conseguiu ainda alterar a programação físico-emocional associada ao ato sexual, à intimidade experimentada. O orgasmo, em termos simples, extravasa o emocional e o fisiológico tanto de homens quanto mulheres, por causa da oxitocina e dopamina que são liberados em grande quantidade durante o ato sexual.

  • E, o mais difícil, seja realista na hora de decidir se vai levar o relacionamento adiante, ou encerrar

Não procure qualidades que não existam e não aponte defeitos que sejam irrelevantes. Seja realista! O melhor é decidir antes de se envolver com a pessoa, em qualquer nível, mesmo namoro.

Muitas vezes, é melhor nem começar a namorar se a tabela de prós e contras não for favorável. Assim é mais fácil manter o pretendente sob perspectiva correta, para não se machucar. Ou, usando uma analogia: Use a “escadinha” e não pule direto na piscina do amor.

Relacionamento felizVejo muita gente boa sofrendo com gente péssima, predadores, animais sem o mínimo de inteligência emocional. E essas boas pessoas acabam “escaldadas”, apavoradas e evitando novos relacionamentos. Vejo também muita gente pouco informada caminhando na mesma direção, às pessoas péssimas. Essas pessoas inadvertidas seguem impulsionadas por “valores” errados: beleza, dinheiro, lábia, etc.

Seja objetivo e correto na hora de decidir com quem se relacionar, pois é melhor chorar por uma semana, que sofrer por anos em relacionamentos sem futuro. E pior, fazer seus filhos sofrerem junto!

Links Úteis

O teste das cores, Banco Nacional de Empregos, disponível em http://www.bne.com.br/Utilitarios/Cores/default.asp

Teste de personalidade com base nas postagens do Facebook, disponível em http://labs.five.com/

Teste Hartman Colors, disponível em http://www.colorcode.com/choose_personality_test/

Teste MBTI, disponível em http://www.humanmetrics.com/cgi-win/jtypes2.asp

Referencias

____, About. Hartman Colors. Disponível em http://www.colorcode.com/about/

____, MBTI Basics. The Meyer & Briggs Foundation. Disponível em http://www.myersbriggs.org/my-mbti-personality-type/mbti-basics/

BINET, Alfred. Les revelations de l”(TM)ecriture d”(TM)apres un controle scientifique. Paris: Félix Alcan, 1906.
BRESARD, Suzanne. A Grafologia. Lisboa: Europa-América, 1976.

CAMARGO, Paulo Sergio. A Grafologia no Recrutamento e Seleção de Pessoal. São Paulo: ígora, 1999.

CAMARGO, Paulo Sergio. Assinatura e Personalidade. Rio de Janeiro: Editora PSG, 2000.

CAMARGO, Paulo Sergio. Dicionário de Traços na Grafologia. Rio de Janeiro: Editora PSG, 2001.

CAMARGO, Paulo Sergio. Grafologia Expressiva. São Paulo: ígora, 2006.

CAMARGO, Paulo Sergio. Psicodinâmica do Espaço na Grafologia. São Paulo: Vetor, 2006.

COBBAERT, A. M. Os Segredos da Grafologia. Lisboa: E. Presença, 1980.

CREPIEUX-JAMIN, J. ABC de la Graphologie. Paris: Ed. PUF,
FAIDEAU, Pierre. Dictionnaire Pratique de Graphologie. Paris: M. A. Éditions, 1989.

FOGLIA, Pedro José. Grafologia General II. Buenos Aires: Lugar Editorial, 2003.

GULLAN-WHUR, Margaret. Manual Práctico de Grafologia. Madri: Edaf, 1986.

HERTZ, Herbert. A Grafologia. Lisboa: Publicações Europa-América, 1972.

KLAGES, Ludwing. Graphologie. Paris: Stock,
KLAGES, Ludwing. Escritura y Caracter. Buenos Aires: Paidós,
Le Trait en Graphologie, Indice Constitutionnel. Paris: Masson, 1992.

MICHON, J. H. Méthode Pratique de Graphologie. Paris: Payot.

MICHON, J. H. Systí¨me de Graphologie. Paris: Payot, .
PERVIN, Laurence; OLIVER, John. Personalidade. Teoria e pesquisa. São Paulo: Artmed, .
RAS, Matilde. Grafopatologia. Madri: Gregorio del Toro.
SANTOS, Cacilda Cuba dos; LOEVY, Odette Serpa. Grafologia. São Paulo: Sarvier,.

SIMí”N, J. José. Cómo hacer análisis grafológicos. Barcelona: Martinez Roca, 1992.

SIMí”N, J. José. El gran libro de la grafologia. Barcelona: Martinez Roca, 1992.
SINGER, Eric. Conhece-te pela letra. Rio de Janeiro: Ediouro, 1981.

TEILLARD, Ania. El alma y la escritura. Madri: Paraninfo, 1974.

VELS, Augusto. Grafologia de A-Z.

VELS, Augusto. Escrita e Personalidade ” As Bases Científicas da Grafologia. São Paulo: Pensamento.
VELS, Augusto. Grafologia Estrutural e Dinâmica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

VELS, Augusto. La Selección de Personal. Barcelona: La Miracle,
VELS, Augusto. Dicionário de Grafologia e Termos Psicológicos Afins. São Paulo: Casa do Psicólogo,
VINí,LS, Francisco; PUENTE, Maria Luz.

Psicodiagnóstico por meio da escrita. São Paulo: Vetor, 2005.

WEST, Peter. Grafologia. Rio de Janeiro: Ediouro, 1981.
XANDRí”, M. Grafologia Elementar. São Paulo: Pensamento, 1989.

XANDRí”. M. Grafologia Elemental. Barcelona: Herder, 1989.

XANDRí”, M. Grafologia para Todos. São Paulo: ígora,
XANDRí”. M. – Grafologia Superior. Barcelona: Herder, 1986.

 

Ufologia x Doutrina SUD

Ufologia x Doutrina SUD

Recentemente fui convidado à responder uma pergunta de um leitor da Revista UFO:

Prezado Gevaerd,

Sou um leitor e assisto praticamente todos os seus videos na internet.

Sou cristão, e membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, muito conhecida como os mórmons.

A pergunta que lhe faço é:

Você conhece a nossa doutrina? Em caso afirmativo acredita que suas idéias e nossa crença podem andar juntas.- 

… (o resto da pergunta é sobre casos de ufologia)

Agradeço desde já pela atenção e parabéns pelo seu maravilhoso trabalho.
Um abraço,

Segue minha resposta:

Ufologia x Doutrina SUD

Olá XXXX (nome escondindo),

Meu nome é Carlos Casalicchio, sou membro da Equipe UFO desde 2011 e minha maior atribuição é traduzir os palestrantes internacionais nos eventos organizados pela revista.

Também sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias desde 1991. Sou ativo, servi missão na Flórida, morei 6 anos e meio em Salt Lake City e participo da Ala Árvore Grande, na Estaca Sorocaba Brasil Barcelona.

O Gevaerd me encaminhou a primeira parte de sua pergunta por causa de nossas crenças comuns e com certeza posso afirmar que a Ufologia anda de mãos dadas com a doutrina SUD.

Gostaria de citar alguns exemplos:

  • Quando Deus criou a arca de Noé e o templo de Salomão, suas instruções foram claras e técnicas. (Gênesis 6: 9-22, I Reis 6) Mas, quando fez o homem, deixou muito vago a tecnicalidade de como se pareceriam (Gênesis 1:27).

Ufologia x Doutrina SUDIsso significa que não há regras exatas de como os homens devem se parecer. Esse ponto também se discute com relação às várias raças que existem em nosso próprio planeta, sejam brancos, índios, asiáticos, africanos, até aqueles que sofrem de síndrome de Down. Durante nossa história como raça humana, sempre fizemos distinção de quem era “à imagem de Deus”. Em nossas eras mais obscuras, fizemos guerras contra os muçulmanos, escravizamos os negros, queimamos mulheres na inquisição, etc. Hoje, percebemos que todos somos filhos do mesmo criador. Então, por que continuamos com a noção de que seres de outros planetas que tem aparência humanoide, embora diferentes de nós, não são à imagem de Deus?

Cientificamente falando, a simetria bilateral (http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/evolucao-animal-ocorreu-30-milhoes-de-anos-mais-cedo-do-que-se-acreditava) aponta ao fato que somos mais evoluídos que outros seres. Civilizações de outros planetas tem a mesma simetria bilateral.

  • No filme do templo, após a queda de Adão, Lúcifer afirma que “fiz somente aquilo que foi feito em outros mundos”.

Há outros pontos que poderiam ser mencionados, mas tentei dar exemplos simples que deixam claro que a doutrina da igreja aponta para essa realidade: Não estamos sozinhos! Aceito que sofro certo preconceito de membros de minha comunidade, mas estou seguro que sua ignorância será corrigida em breve.

Aplicando a Metodologia Disney no Brasil

Aplicando a Metodologia Disney no Brasil

BENEFÍCIOS DA METODOLOGIA NA ESTRATÉGIA CORPORATIVA BRASILEIRA

A Disney é mais do que simplesmente um parque de diversões temáticas ou uma fábrica de desenhos animados para crianças. Walt Disney, visionário e paranoico por qualidade, produziu um dos mais famosos e poderosos sistemas gerenciais do mundo, usado até hoje, não somente pela própria Disney, mas por dezenas de outras grandes empresas de sucesso. Este artigo visa citar a metodologia, visão e idealismo desse modo de gerenciamento, desde os recursos humanos até a satisfação de clientes.

Aplicando a Metodologia Disney no BrasilBaixe o documento Aplicando a Metodologia Disney no Brasil

Infidelidade Digital – Mal que assola relacionamentos

Infidelidade Digital – Mal que assola relacionamentos

JUSTIFICANDO A QUEBRA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Infidelidade Digital - Mal que assola relacionamentos

Quando tratamos do assunto de infidelidade digital inevitavelmente chegamos ao questionamento da segurança da informação, que confere aos usuários de tecnologia sua privacidade. No entanto, quando envolvidos em um processo litigioso, e, muitas vezes, traumatizante, de divórcio, resta dúvida se torna justificável o quebra do sigilo e segurança para obtenção de provas e informações sobre aquele que causa o divórcio.

Infidelidade Digital - Mal que assola relacionamentosO artigo em anexo discute os motivos justificáveis e leis que respaldam essa quebra da segurança da informação. Também, proporciona ao leitor, ferramentas para investigação e produção de evidências que possam ser usadas em juízo.

Quando o companheiro(a) trai, por mais que seja eficiente em esconder seus atos sombrios, é possível descobrir usando técnicas apropriadas e ferramentas eficazes tanto desvendar os segredos, como para documentar os atos.

 

Baixe o arquivo Infidelidade Digital

Dicas essenciais de viagem aos EUA

Dicas essenciais de viagem aos EUA

Em Fevereiro de 2013, fui a um evento em Phoenix, onde traduzi para 2 parceiros brasileiros, que não falam inglês. Aproveitando a oportunidade, fui visitar amigos em Salt Lake City e Las Vegas. Dicas essenciais de viagem aos EUA discute algumas dicas para sucesso em suas viagens.

Durante minha viagem, tive vários problemas durante essa viagem – pneu furado e sem estepe, nevasca no aeroporto, reservas em hotéis.

Nessa viagem percebi que, mesmo para quem já morou nos EUA, é necessário algumas ferramentas essenciais, além do idioma:

Comunicação (Celular)

Comunicação (Aluguel de Carro)

Comunicação (Companhia aérea)

CELULAR

A primeira coisa que fiz, quando cheguei em Salt Lake City, foi ir à uma loja da T-Mobile, para comprar um chip de celular. Claro, existem outras operadoras, como Verizon WirelessAT&TCricket, etc. Mas, como já tenho experiência com a T-Mobile, fui e comprei um chip lá.

Aqui no Brasil estamos acostumados com taxas caras de celular, tanto pré quanto pós-pago. No entanto, comprei um micro chip (para smartphones) por 70 dólares. Esse chip vem com uso ilimitado de minutos, internet e torpedos (SMS). Preste atenção! 70 dólares por um plano 100% ilimitado em tudo. Não existe essa de ligação interurbano, fora de área (roaming) ou pagar pra verificar a caixa de mensagens. Tudo é incluso e ilimitado. DICA # 1

Quando estava voltando de Phoenix, na estrada para Las Vegas, bem após passar a cidade de Surprise, Arizona , que fica aproximadamente 1 hora de Phoenix, o pneu do carro estourou. Nos modelos novos de carro não há estepe, somente uma bomba compressora com um químico que tapa buracos de furos.

No entanto, não houve furo, mas sim estouro do pneu. Tive que ligar para a companhia de aluguel de carros para que viessem guinchar. Nessa, a viagem de volta para Las Vegas demorou 7 horas, ao invés de 4.

Se não fosse o celular, estaria preso no meio do nada e teria muito mais trabalho para conseguir socorro.

ALUGUEL DE CARRO

No Brasil, o aluguel de um carro simples (tipo um fiat) custa um absurdo. Então alugar carro nos EUA está fora de cogitação. ERRADO!

Alugando com a Dollar Rental Car (mais barata que conheço) um carro popular custa 19,99 por dia. É isso mesmo 20 dólares por dia! Agora, o mais interessante: carro popular lá, custando 19,99 por dia, é um Honda CivicFord FusionHyundai ElantraNissan Versa, etc. Carros aqui considerados de luxo, são carros populares lá.

A pegadinha é que, por ter habilitação internacional, é obrigatório pagar o seguro. A soma do aluguel + seguro fica em torno de 40 a 60 dólares /dia. Mas, mesmo assim, fica mais barato que alugar um carro, ou arriscar um í´nibus. DICA # 2

COMPANHIA AÉREA

Em Chicago, perdi o avião de conexão para o Brasil, por causa de uma forte nevasca que aconteceu. Perdi o avião por questão de 20 minutos! Felizmente, quando isso acontece, a companhia aérea é obrigada a fornecer um local para permanecer a noite.

Eles pagaram uma suíte no Crowne Plaza Chicago O’Hare. No dia seguinte, passei grande parte do dia no aeroporto, esperando novo voo de conexão. Mas pelo menos passei a noite num hotel agradável, ao invés de passar a noite no aeroporto. Fale com a companhia aérea e exija que paguem uma estadia num hotel (se a culpa não for sua, é claro)! DICA # 3

CONCLUSÃO

Quando for viajar para os EUA, peguenas dicas podem facilitar muito sua vida e tornar sua viagem mais agradável. Portanto, lembre-se das seguintes dicas:

# 1 Compre um chip de celular
# 2 Alugue um carro
# 4 Comunique problemas (perca a vergonha)

Texto tirado de http://www.egsorocaba.com/dicas-essenciais-de-viagem-aos-eua/

5 dicas para formatar seu currículo e aumentar suas chances de entrevista

5 dicas para formatar seu currículo e aumentar suas chances de entrevista

revisado em 28/10/2016

Há alguns anos que venho amadurecendo um formato de currículo que se tornou eficaz em convidar o selecionador a ler até o final e fazer um convite para entrevista. No entanto, apesar de ser possível formatar um currículo de forma a maximizar o potencial de entrevistas, é impossível garantir 100% de sucesso, pois formato não é uma ciência, somente melhores práticas.

Alguns recrutadores podem não gostar de um determinado formato simplesmente por preferencia pessoal. Nesses casos, ajustar para atender a esse tipo de necessidade pode ser relevante. Por exemplo, para alguns tipos de vagas não se recomenda mais colocar idade, tampouco endereço no currículo.

No caso do endereço, é devido à expectativas de vagas remotas ou mesmo em situações onde o endereço seja em outra cidade, fazendo com que o recrutador rejeite o currículo somente por causa disso, e não por falta de qualificação.

No caso de idade, dependendo da vaga – para estagiários por exemplo – sua idade pode ser uma distração para o recrutador, que pode formar opinião que o candidato é muito velho ou muito novo para certa vaga.

Recrutadores, em geral, olham centenas de currículos por dia e, na maioria das vezes, gastam menos de 10 segundos para descartar um currículo. São nesses poucos segundos que você dará sua primeira impressão. Lembre-se de que:

  • Seu currículo é seu cartão de visita
  • Mostra sua organização no trabalho e na vida (se seu currículo for desleixado, será uma representação de você!)
  • Você está vendendo seu produto – VOCÊ!
  • Foque no importante, não minta, mas não remova crédito de sua experiência

Existem diversos formatos e modelos disponíveis no mercado, que podem trazer maior ou menor benefício, dependendo do mercado de trabalho e vaga almejada:

Todas as dicas de como formatar seu currículo são válidas e merecem atenção, pois seu currículo é sua ferramenta para alavancar sua carreira e, portanto, deve ter qualidade e eficácia.

Caso esteja buscando mudar de profissão ou mesmo decidir o caminho a seguir, existem alguns testes de personalidade que podem ajudar na hora de descobrir qual carreira perseguir:

Não use fotos no seu currículo, a não ser que seja exigencia da vaga – vagas de modelo, atendente aéreo, etc. Geralmente, currículos com fotos são descartados imediatamente, somente por causa das fotos, se não for relevante à vaga.

Em consequência a esse trabalho em recursos humanos, acabei por desenvolver um formato de sucesso que permite ajustes rápidos e maior eficácia em reter a atenção dos recrutadores:

Dica No. 1 – Esbanje nas palavras chave

Não encha seu currículo com jargão somente para entrar no resultado de buscas, mas use todas as palavras chave que são específicas de sua formação e experiência. Palavras chave são indicadores e pontos de assunto numa entrevista. Mencionar uma palavra chave em seu currículo, mas depois ter dificuldades em discutir sobre ela, durante uma entrevista, é suicídio profissional.

Dica No. 2 – Espaço suficiente entre linhas e parágrafos

Enquanto a norma é manter o currículo no menor número de páginas possíveis, o mais importante é permitir ao leitor que mantenha o interesse durante toda a leitura. Frases apertadas e muito próximas cansam qualquer leitor e, por mais que seu currículo seja exemplar, não vai ser eficaz se o leitor cansar logo nas primeiras linhas.Modelo de Formato de Currículo - 5 dicas para formatar seu currículo e aumentar suas chances de entrevista

Dica No. 3 – Resumo Profissional

Das centenas ou mesmo milhares de currículos que selecionadores olham talvez somente 1% serão lidos em seu inteiro teor. O resumo profissional é praticamente sua carta de apresentação, com uma visão geral de sua qualificação e experiência. Escolha as palavras com cuidado, use algumas palavras chave e, principalmente, seja criativo para atrair o leitor e deixa-lo interessado em ler o resto.

Dica No. 4 – Objetivo

Seja direto em seu objetivo. Embora o senso comum seja que o currículo é imutável, o Objetivo sempre muda. Mantenha seu objetivo focado na posição almejada, mesmo que seja uma vaga específica em uma empresa.

Por exemplo:

Se sua experiência profissional se baseia em vendas e uma vaga interessante exige experiência com remédios e a vaga tem o nome genérico “Vendedor”, insira em seu objetivo “Vendedor de produtos médicos, medicamentos e de saúde”.

Não minta em seu objetivo, mas seja específico quando enviar a um recrutador.

Dica No. 5 – Enviar seu currículo

Ao enviar seu currículo para uma vaga, procure ser o mais específico possível em sua comunicação. A maioria das vagas, hoje em dia, fornece um endereço de email com o nome do encarregado. Procure analisar o endereço de email para descobrir com quem se comunica. Isso irá aumentar suas chances de resposta. Seu email já é sua carta de apresentação.

Por exemplo: Se uma empresa de recrutamento posta uma vaga com os seguintes dizeres:

Vaga de Vendedor
Descrição: Vendas de partes de automóveis
Requisitos: Experiência com venda de peças, serviços e garantias
Conhecimentos: Telemarketing, atendimento ao consumidor
Salário: CLT í  combinar
Interessados enviar currículo com pretensão salaria para adriana.alves@rh.com.br

Note que o email tem o nome Adriana Alves e que a empresa que contrata é terceira, pois o email é RH (recursos humanos) e não empresa.com.br . Então em seu email, sugiro o seguinte texto:

Boa tarde Adriana, tudo bem?

Gostaria de participar do processo para a vaga de Vendedor Automotivo. Meu currículo segue em anexo.

Att,

João Silva

NUNCA, mas nunca mesmo envie e-mails com cartas de apresentação genéricas. Essas vão direto para a lixeira:

Caro Recrutador,

Tenho certeza que serei uma ótima adição para sua empresa, gostaria de marcar uma entrevista. Possuo referencias, sob pedido.

Att,

Sem emprego

Competindo com currículo de sucesso - 5 dicas para formatar seu currículo e aumentar suas chances de entrevistaNote que a vaga não é para a empresa que está gerenciando o processo, mas sim para uma terceira, então escrever que será uma ótima adição é mostrar que nem leu a descrição da vaga!

Em conclusão, há várias outras dicas que estão nos modelos de currículo em anexo. Mas, estas dicas acima são, em minha opinião, as mais eficazes na produção de um currículo de sucesso. Se atente para outras táticas e dicas. Veja também:

Modelos:

Qual sua pretensão salarial? Dicas de Entrevista de Emprego

Qual sua pretensão salarial? Dicas de Entrevista de Emprego

Não há vaga de emprego hoje em dia que não pergunte ao candidato sua pretensão salarial. E, consequentemente, nenhum candidato prossegue em qualquer processo sem responder a essa pergunta. O problema dela é: Como garantir uma vaga sem pedir menos do que valho, ou sem queimar a candidatura por ter pretendido mais do que o oferecido?

Esse é um habito socio cultural encontrado no Brasil que difere dos Estados Unidos. Aqui no Brasil é comum as empresas usarem tabelas de teto salarial sem considerar as habilidades extras pretendidas pela vaga. Ou seja, quando uma empresa procura um profissional experiente, exige conhecimentos adicionais que, muitas vezes, não fazem parte do portfolio profissional qualificado nas tabelas salarias.

Qual sua pretensão salarial? Dicas de Entrevista de Emprego
Crédito Image https://www.collegegrad.com/imagesvr_ce/4246/job%20interview.jpg

Nos Estados Unidos, toda vaga tem seu piso, mas ao montar o salário oferecido, o teto é definido de acordo com as competências exigidas, e não no teto apontado em pesquisas de mercado. Dessa forma, sempre é possível haver negociação salarial que seja vantajosa tanto para a contratante, quanto ao futuro colaborador, pois o mesmo se sente valorizado e recompensado de acordo com sua real experiência e formação acadêmica.

Por exemplo: Recentemente encontrei uma postagem para uma vaga de Gerente WEB em uma multinacional. No entanto, essa vaga requeria experiência com Gestão de Recursos Humanos, que não é comum em profissionais de tecnologia.

Surpreendentemente, ao questionar sobre a vaga, fui informado que o salário é o mesmo de um Gerente de Web oferecido 3 anos atrás, com uma diferença crucial – agora o gerente de WEB também precisava ter experiência em Recursos Humanos.

Um fato interessante a mencionar é que o mercado de gerente de WEB oferece um valor, mas o diferencial de Recursos Humanos deveria aumentar o salário em, pelo menos, 30% por ser uma disciplina completamente fora de tecnologia.

Como foi que descobri o valor oferecido pela vaga, sem queimar minha “candidatura”? Minha resposta à pergunta sobre pretensão salarial foi:

Não tenho pretensão, sei o que o mercado oferece, mas meu curr­culo está muito acima da mediocridade profissional do qual as empresas reclamam tanto. Portanto, espero uma oferta condizente com minha formação e experiência.

Essa afirmação me permite, em 80% das submissões, descobrir qual o teto oferecido pela vaga, sem perder a chance de prosseguir no processo.

Qual sua pretensão salarial? Dicas de Entrevista de Emprego
Crédito Imagem http://geg.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2013/02/dream-job-image.jpg

Portanto, quando for perguntada qual sua pretensão salarial, não diga o quanto quer receber, pois provavelmente não será isso que a empresa estará disposta a pagar. Responda que sabe seu valor e prefere que a empresa faça uma oferta. Suas chances serão grandes de descobrir qual é o teto salarial da vaga, o que lhe permitirá escolher consciente antes de iniciar qualquer processo.

Esvaecer ou Crescer?

Esvaecer ou Crescer?

É durante nossos momentos mais difíceis que percebemos duas escolhas: esvaecer ou crescer. Muitos autores descreveram, psicólogos analisaram, pesquisadores estudaram e tratamentos e receitas foram criadas. Todas essas tem seu mérito e são de grande ajuda, mas somente aquele tem fé em si mesmo e em seu criador consegue superar e vencer.

Napoleon Hill escreveu:

‘A luta pela vida nem sempre é vantajosa
aos fortes nem aos espertos.
Mais cedo ou mais tarde, quem cativa a vitória
é aquele que crê plenamente
Eu conseguirei!’

Alguns podem chamar de lei da atração, de “O Segredo”, outros de anjo da guarda, de Universo, Grande Criador, Alá, Buda, Deus, Jeová. Outros chamam de acaso, caos, coincidência, aberração, evolução, sorte.

A verdade é que existe sim uma força interior, que aliada à ‘Graça’ externa, nos traz sim aquilo que desejamos e merecemos e que nos impulsiona a crescer. O que poucos percebem, no entanto, é que nenhuma graça ou milagre específico podem mudar um indivíduo a não ser que ele queira mudar a si mesmo.

Esvaecer ou Crescer?

Acreditar, crer plenamente, ter fé inabalável requer esforço, prática e paciência. Mas, somente ao aceitar nossa própria mortalidade e falibilidade, presenciar a beleza de um lindo amanhecer, vislumbrar as cores do campo, emocionar-se com uma música inspiradora, percebemos a sutileza e certeza de que, em tudo, há um plano. Nada é aleatório.

Muitas vezes penamos em aceitar que o único controle que temos nesta vida, está em aprendermos a vencer a nós mesmos. Conseguir é mais que uma palavra, é um alívio que virá quando nosso tempo nesta terra, que parece tão longo e árduo, finalmente acabar.

Quantos de nós estaremos prontos para exalar “Sim, foi só passageiro! Não tive nada além de memórias e aprendizado. Com nada fui e com nada retorno. E quão feliz sou por isso!”.

Conseguir, no sentido mais abstrato da humanidade, é se tornar, é se transformar, é ter poder sobre si mesmo, de não ter mais nenhuma disposição para fazer o mal, mas somente o bem, continuamente.

Não posso deixar de agradecer pelos bons e maus momentos em minha vida, que tem me moldado e me ajudado a saber que nada sei, mas que se eu fizer minha parte, minhas fraquezas se tornarão fortalezas e sei que CONSEGUIREI!

Me dê o que quero, não o que preciso!

Me dê o que quero, não o que preciso!Me dê o que quero, não o que preciso!

Me dê o que quero, não o que preciso! Essa frase costuma ser relacionada à crianças mimadas e a adultos egoístas. Mas um estudo mais cuidadoso indica que dar somente o preciso pode ser tão ruim quanto não dar nada.

Sob perspectiva pragmática, dar tudo que os outros querem é um fardo e pode levar quem recebe a perder a noção do que é necessário e de como proceder para conseguir.

Muitos pais acabam por criar pequenos déspotas ao darem tudo que seus filhos querem. Muitos adultos, quando não são treinados a entenderem a diferença entre precisar e querer, acabam por impor suas vontades aos outros, sem considerar os danos que causam a outrem.

Por outro lado, há os pais e indivíduos que somente dão o preciso, mas nunca o que os outros querem. Exemplos disso são:

PAIS QUE TRABALHAM OU VIAJAM DEMAIS

Esse problema é o mais sério, pois acaba por incutir nas crianças um comportamento que acaba sendo perpetuado por várias gerações. Pais que tiveram relacionamento fraco com seus próprios pais, na maioria das vezes, acabam fazendo o mesmo com seus filhos. Ao invés de levar seus filhos ao parque, de ler aquele livro infantil “oeirritante”, de assistir aquele desenho animado entediante, fazem outras coisas mais práticas: trabalham, cozinham, arrumam a casa, pagam por cursos, mandam os filhos pra Disney, para o ballet, etc. Tudo isso para compensar o tempo que não estão passando com seus filhos.

Nada disso é visível durante os primeiros anos de infância. Mas quando a criança chega na adolescência, começa a questionar seu relacionamento com seus pais (como todo jovem faz). E quando percebe que seus pais não lhes dava a atenção que desejavam, acabam por desenvolver rancor. Nessa hora é que muitos pais usam a frase “oeMas sempre dei tudo que você precisava!”

INDIVIDUOS COM BAIXA INTELIGENCIA EMOCIONAL

Relacionado ao tópico acima, quando indivíduos tem baixa inteligência emocional, acabam por afirmar que sempre deram o que os outros precisavam. Porém, nunca deram o que era de melhor – tempo, atenção, carinho, amor, etc.

Quando esses indivíduos se veem confrontados pela realidade do “oeque sempre precisavam”, acabam por usar de chantagem emocional, tentando jogar a culpa em quem questiona, dizendo que sempre se esforçaram pra dar tudo que precisavam, que sempre fez de tudo, que não subiu na vida porque estava sempre se preocupando com os outros, etc.

PARCEIROS QUE NÃO SABEM DEMONSTRAR AFEIÇÃO

Num relacionamento conjugal – seja namoro, noivado, casamento, ou mesmo amizade. Quando a pessoa não sabe se relacionar, acaba por magoar o outro, pois sempre está fazendo outras coisas – como arrumar a casa, fazer comida, lavar roupa, etc – para racionalizar não fazer o que o parceiro realmente gostaria de ter: Atenção, carinho e respeito.

CONCLUSãO

Portanto, dar o que os outros precisam nem sempre é o melhor. Em qualquer relacionamento, precisamos dar o que nossos familiares, amigos e parceiros realmente querem: AMOR!

É importante darmos o que os outros precisam, afinal, amor não põe comida na mesa. É preciso trabalhar, sustentar, limpar, cozinhar, levar no futebol, no ballet, etc. Mas, no final das contas, dinheiro vai, e amanhã volta, mas as lembranças dos bons momentos, associados aos sentimentos de amor e respeito, perduram toda a vida e são perpetuados por gerações. Assim como a falta dos mesmo também podem acabar sendo perpetuados por várias gerações.

A razão principal da dificuldade em encontrar e manter profissionais competentes

A razão principal da dificuldade em encontrar e manter profissionais competentes

A maioria das empresas, gestores, e escritórios de Recursos Humanos fazem o mesmo comentário (com pequenas variações): “É muito difícil conseguir um profissional competente que seja fiel à  empresa”.

Com certeza, essa afirmação não passa da mais simples realidade. O que todos falham em notar é que esse problema se deve à  atual política de contratação vigente no Brasil que, embora sem base legal, se tornou a norma aceita pela indústria de tecnologia.
A maioria das empresas exige dezenas de especializações, experiência extensiva, frequêntemente inglês e algumas vezes até espanho fluentes. No entanto, as empresas se propõe a pagar o valor de alguém que tem somente uma ou duas das qualificações exigidas, e definem teto para salário. Demandam profissionais com cada vez mais qualificações mas se mantém sob a média salarial que não inclui essas demandas adicionais.
Exemplo de anúncio de emprego:
Analista Programador C Sharp especialista em SQL Server Senior (1 Vaga)
Atribuições:  Análise e desenvolvimento de produtos de software.

Habilidades Técnicas:  – Familiaridade com desenvolvimento em .NET (obrigatório).

– Excelente lógica de programação (obrigatório).
– Conhecimentos profundos de SQL Server 2008 ou superior (obrigatório).
– Conhecimentos básicos de Reporting Services e Analysis Services 2008 ou superior (obrigatório).
– Conhecimentos em bancos de dados data warehouse (DW)
– Conhecimentos em Business Intelligence
– Experiência com processo de ETL
– Larga experiência em SQL Server (mais de 5 anos)
– Experiência com .NET (Compact Framework, Windows Form’s,  ASP.NET, Web Services) (desejável).

Formação Educacional:  Superior completo ou em andamento na área de computação.  Idiomas:

– Inglês para leitura (obrigatório).
– Inglês avançado (diferencial).
Considerando a média salarial de um Analista Programador, sabemos que varia entre 2.200 e 9.500, sendo que há várias modalidades de Analista, desde mainframes a Java. (fonte:  http://info.abril.com.br/professional/salarios/)
Agora, qual é o salário que um profissional com todas as especializações adicionais deve receber? Fica difícil julgar, a não ser que seja feita uma análise do currículo versus as competências requeridas e competências  adicionais.
No entanto, quando o teto já é pré-definido, tanto a empresa quanto o profissional perdem oportunidades de crescimento e realização.
Vale lembrar que o profissional também analisa a empresa antes de aceitar deslocar-se para a entreviste e aceitar uma oferta. A solidez e seriedade da empresa também influenciam muito, não só o salário.
Para qualquer posição, sendo efetiva (CLT) ou como prestador de serviços (PJ), os benefícios também contam muito na hora de decidir valor de pretensão salarial. Quando os benefícios estão competitivos a empresa ganha pontos como empregador e se torna objeto de desejo dos profissionais. Empresas como  Google, que tem  política extremamente aberta e maleável, e mesmo assim mantêm alto rendimento profissional, são umas das mais cobiçadas pelos profissionais de tecnologia.
Alguns desses benefícios, como vale estacionamento, podem não ser tão importantes para o candidato quanto bônus por desempenho ou participação nos resultados por exemplo.
 
É compreensível que as empresas estabeleçam tetos salariais para evitarem gastos excessivos com profissionais, especialmente em um país onde os impostos e contribuições empregatícias variam em  até 80% do salário nominal. No entanto as empresas, exceto aquelas já estabelecidas, preferem contratar profissionais no regime de Prestador de Serviços para baixar seus custos de “overhead”, mas mantém o valor de salário o mais baixo possível.
Portanto, o que falta no Brasil é a maleabilidade de negociação, tanto nos benefícios, quanto no salário efetivamente. Em países mais desenvolvidos, em uma primeira entrevista raramente se menciona valores de salário.
Fazendo uma comparação básica:  Ninguém começa um relacionamento, seja de negócios ou romântico, perguntando quanto o outro indíviduo ganha e quanto ele quer para que o relacionamento dê certo.
 
Em empresas maduras, apesar de sempre trabalhar com base na média salarial, oferecem o salário de acordo com o profissional, e somente após avaliação do mesmo. Ou seja, o salário base sempre é o de mercado, mas quando um profissional de qualidade superior aparece, o salário oferecido a esse profissional sempre é superior, pois a empresa vê o benefício de contratar um profissional acima do mercado, e não qualquer um que aceite o valor previamente estabelecido.
Assim, o profissional se sente valorizado, e a empresa automaticamente ganha a lealdade do profissional, por este saber que está sendo recompensado de acordo com suas qualidades, e não pelo molde de mercado.
 
Somente quando as empresas mudarem seu pragma empregatício é que o Brasil verá real desenvolvimento e crescimento técnico.